Três exposições do MAAT para ver nos feriados de Dezembro

Um dos mais recentes museus de Lisboa começa a ganhar vida: o MAAT tem três novas exposições acompanhadas por workshops, visitas guiadas e serviços educativos.

Eduardo Batarda, Rui Calçada Bastos, Apichatpong Weerasethakul e Joaquim Sapinho são os artistas em destaque nas novas exposições anunciadas pela MAAT.


1 – Misquoteros – A Selection of T-Shirt Fronts

eduardo_batarda
Para comemorar os 50 anos da sua primeira exposição, Eduardo Batarda mostra um trabalho que reúne um conjunto de trinta pinturas que o autor considera como uma só obra.

Texto e imagem são um e o mesmo, num jogo entre a compreensão, a criação de sentidos e a total ilegibilidade. O recurso à ironia, ao registo tragicómico e ao sarcasmo alia-se às questões inerentes à prática e à história da pintura. A curadoria é da dupla Ana Anacleto e João Fernandes

Serviço educativo: conversa com Eduardo Batarda e Ana Anacleto, 21 de Janeiro às 16:30, por 2,5 euros.

Visita guiada: A Legibilidade da Imagem (ou da Obra de Arte) com Renato Santos, 4 de Dezembro às 16 horas, por 5 euros.

Oficina criativa: AHAH! OOPS! YEAH!, para crianças dos 6 aos 12 anos, 26 de Novembro às 15:30 com Maria João Botelho, por 5 euros.


2 – Liquid Skin

joaquim-sapinho-candles-hospital-2016_web
Com a curadoria da Alexandre Melo, Liquid Skin junta Apichatpong Weerasethakul e Joaquim Sapinho. Os dois artistas exploram a relação entre interior e exterior que o MAAT proporciona.

No século XXI, a relação entre artes plásticas e cinema é um tópico crucial dos debates culturais. Artistas que fazem filmes, cineastas que fazem exposições, filmes que são instalações, imagens que são esculturas.

Criadores oriundos, por formação ou carreira, da área do cinema ou das artes plásticas trabalham, ao mesmo tempo, objetos e imagens, fixas ou em movimento, testando os limites mais avançados da imaginação e da liberdade — ou seja, da arte.

Os filmes de Apichatpong Weerasethakul — como Blissfully Yours, O Tio Boonmee Que Se Lembra das Suas Vidas Anteriores (Palma de Ouro 2010, Cannes) ou Cemitério do esplendor — e de Joaquim Sapinho — Corte de Cabelo, Mulher Polícia ou Deste Lado da Ressurreição — produziram momentos únicos que ajudaram a redesenhar a paisagem visual de hoje.

Visita guiada: Ficção à Luz da Realidade com Susana Anágua, 27 de Novembro às 16 horas; 28 de Janeiro, 11 de Fevereiro e 25 de Março às 17 horas, por cinco euros.


Walking Distance

walking-distance
Nesta exposição, Rui Calçada Bastos mostra fragmentos dos registos captados ao longo do seu percurso pelo mundo. O artista fotografa e filma artefactos abandonados, pequenas cenas banais onde o local se torna global, pormenores de construções ou cenários mais abertos, mas sempre fragmentários.

Recolhe também peças do seu quotidiano urbano, que passam a desempenhar papéis escultóricos e que ele recompõe, por vezes, segundo lógicas de instalação. A sua abordagem é a de um predador visual e não de um mero voyeur.

Visita guiada: Eu Aqui e Agora, no Mundo lá Fora com Susana Anágua, 11 de Dezembro às 16 horas, por 5 euros.

Oficina criativa: Geografias Singulares, para crianças dos 9 aos 12 anos, 10 de Dezembro e 8 de Janeiro às 15:30 com Susana Anágua, por 5 euros.


Os interessados podem pedir mais informações sobre estas actividades do Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia e fazer marcações pelo telefone 210 028 130

Ricardo Durand
Começou no jornalismo de tecnologias em 2005 e tem interesse especial por gadgets com ecrã táctil e praias selvagens do Alentejo. É editor do site Trendy e faz regularmente viagens pelo País em busca dos melhores spots para fazer surf. Pode falar com ele pelo e-mail [email protected].