Future Farm é a nova marca de plantas a fingir que são carne à venda em Portugal

©TRENDY
©TRENDY

‘A salsicha do futuro’, o ‘frango do futuro’, as ‘almôndegas do futuro’ e o ‘atum do futuro’. São tudo chavões de uma nova empresa que agora chega a Portugal e que quer vender “planta por lebre”.

O movimento que tenta dar alternativas plant-based à carne é cada vez maior e Portugal vê agora chegar uma nova opção, cujo objectivo é ser um escape ao consumo de ingredientes de origem animal.

A proposta da brasileira Future Farm é uma pasta sem glúten e GMO (organismos geneticamente modificados) criada em laboratório que quer ter uma consistência e sabor semelhante ao da carne de frango, vaca e porco; mas, pelo que provámos num evento de apresentação da marca, esta é uma realidade que continua muito longe deste tipo de empresas.

Os produtos da Future Farm têm todos o nome ‘Future’ (futuro) associado ao tipo de pasta: há o Future Chicken, o Future Sausage e até mesmo o Future Tuna, um atum feito com soja, na linha do que já tínhamos visto com o Vuna.

©TRENDY
©TRENDY | Os ingredientes destas pastas vegetais têm sempre os mesmos ingredientes; a Future Mince tem 14 gramas de proteína por 100 gramas. A carne picada real tem o dobro.

No almoço de apresentação desta gama de “carne” plant-based, preparado pelo chef Pedro Abril (Musa da Bica), foram servidos pastéis de massa tenra, hambúrgueres, salsichas enroladas em couve lombardo, frango frito e atum com feijão-frade.

Como é óbvio, a carne real neste pratos foi inexistente: em substituição, estavam as opções à base de soja (com 17%), grão, ervilha, beterraba, óleo de côco, óleo de canola, aromatizantes e estabilizadores.

Apesar de a carne picada usada nos pastéis de massa tenra ser comestível, assim como o hambúrguer (os melhores pratos da degustação), tudo acaba por saber muito a farinha, a produtos processados e a leguminosas.

©TRENDY
©TRENDY | O Future Burger é saboroso e o que mais se aproxima da consistência do original, com carne; acabou por ser o melhor da degustação na Musa da Bica.

O atum da Future Farm (para já, apenas disponível na Getir), usado num prato com demasiado vinagre, será mesmo a pior alternativa plant-based da marca: sem sequer chegar próximo da consistência deste peixe, habitualmente consumido em conserva, são apenas pedaços de soja hidratada sem sabor. As salsichas, amargas, com uma película feita de alga em vez de tripa e com uma consistência de papa, seguem o mesmo caminho.

©TRENDY
©TRENDY | Um dos piores pratos do almoço foi o Future Tuna: além de estar com demasiado vinagre e sem azeite, tem a consistência de soja desidratada, sem sabor.

No limbo da refeição ficou o frango, embora a opção pela fritura o tornasse demasiado duro, sobretudo quando arrefeceu. Mais uma vez, a sensação foi a de estar a comer algo que não se aproxima, nem de perto nem de longe, da textura e sabor da carne.

Ao todo, a Future Farm chega com seis alternativas à carne (que, na verdade, não o são) feitas de soja – atum, carne picada, salsichas, frango, hambúrguer e almôndegas – que estão à venda apenas no El Corte Inglés, actualmente em promoção: 4,69 em vez de 4,99 euros.

Ricardo Durand
Começou no jornalismo de tecnologias em 2005 e tem interesse especial por gadgets com ecrã táctil e praias selvagens do Alentejo. É editor do site Trendy e faz regularmente viagens pelo País em busca dos melhores spots para fazer surf. Pode falar com ele pelo e-mail [email protected].