©Starbucks - Estratégia Verde 2030

Starbucks mais “verde” até 2030 com reforço de opções plant-based e redução das emissões de carbono

A Starbucks tem uma série de estratégias ambientais para por em prática. O objectivo é lutar por um futuro «resource-positive» para «dar ao planeta mais recursos que os que consome».

É uma estratégia que cada vez mais empresas e marcas têm vindo a comunicar: reduzir a pegada ambiental como forma de “compensar” o planeta por acções não tão verdes que têm tomado ao longo dos anos.

Actualmente, há um despertar para a ‘emergência ambiental’ em vários sectores, com companhias aéreas, hotéis, restaurantes e serviços quererem cortar nos plásticos descartáveis e nas emissões de carbono, directa ou indirectamente, assim como na redução do desperdício.

Reforçar opções plantas-based e promover agricultura sustentável

Desta vez é a Starbucks a alinhar por um futuro mais verde, com um conjunto de estratégias e objectivos indicados por Kevin Johnson, CEO, numa carta pública dirigida aos accionistas da marca. O carbono, o consumo excessivo de água e os resíduos são os principais inimigos da empresa.

Até 2030, a Starbucks que, por exemplo, expandir as opções plant-based: ou seja, ter cada vez mais ingredientes que não são de origem animal. As lojas já têm no menu, há vários anos, alternativas ao leite como as bebidas de soja, amêndoa ou côco.

«Investir em práticas agrícolas inovadoras e regeneradoras, assim como em reflorestação, conservação da floresta e reabastecimento de água na supply-chain», é outra das ideias partilhadas por Kevin Johnson. A estas estratégias, seguem-se a adopção de embalagens reutilizáveis, a reciclagem, o fim do desperdício alimentar e as entregas ao domicílio mais sustentáveis. No Japão, por exemplo, a Starbucks já não tem palhinhas de plástico.

Palhinhas de papel ©Starbucks Japão

Consumo de água e emissões de carbono com cortes de 50%

Para apoiar estas estratégias mais verdes, a Starbucks vai apoiar-se em várias acções na sua operação diária, com cortes de 50% em vários parâmetros: emissões de carbono, conservação ou reposição da água nas produções de café, em comunidades com elevados riscos hídricos, e nos resíduos gerados nas lojas.

A actual política ambiental da Starbucks, com as abordagens à reciclagem, poupança de energia, água, assim a posição da empresa sobre as alterações climáticas e a criação de lojas ecológicas, pode ser lida no site oficial da empresa.

Ricardo Durand
Começou no jornalismo de tecnologias em 2005 e tem interesse especial por gadgets com ecrã táctil e praias selvagens do Alentejo. É editor do site Trendy e faz regularmente viagens pelo País em busca dos melhores spots para fazer surf. Pode falar com ele pelo e-mail [email protected].