RTP escolhe compositores de elite para o 51.º Festival da Canção

Se não é desta que Portugal fica bem classificado no Festival da Eurovisão, o melhor é esquecer mesmo participações futuras…

Os responsáveis supremos pela RTP – Nuno Artur Silva (administração), Gonçalo Madaíl (subdiretor de programas) e Carla Bugalho (chefe de delegação) – anunciaram um grupo de dezasseis compositores que vão ser uma espécie de “directores criativos” do 51.º Festival da Canção.

A edição de 2017 do festival vai ser composta por duas semifinais (19 e 26 de Fevereiro) e uma final (5 de Março). O sistema de votação é semelhante ao que já foi usado em edições anteriores: um esquema de 50/50 onde «o peso do voto será repartido entre o público em casa e um júri escolhido pela RTP», explica a televisão pública.

Se existir um empate, as regras ditam que nas semifinais passe à final a música esciolhida pelo júri; já na derradeira parte do 51.º Festival da Canção, a preferência é dada à votação feita pelo público.

Os dezasseis compositores escolhidos pela RTP vão ter liberdade total para escolher o estilo de música, o língua em que será cantada e o intérprete. As maquetas com o tema (o tempo máximo é de três minutos) vão ser entregues aos responsáveis da televisão pública até ao final de Janeiro.

A música vencedora do 51.º Festival da Canção vai representar Portugal no 60.º Eurovision Song Contest, que vai ter como palco a capital ucraniana: Kiev. Aqui fica a lista dos compositores escolhidos pela RTP:

Luísa Sobral
Márcia
Rita Redshoes
David Santos (Noiserv)
Celina da Piedade
Samuel Úria
Nuno Gonçalves (The Gift)
Pedro Silva Martins (Deolinda)
Tóli César Machado (GNR)
João Pedro Coimbra (Mesa)
Nuno Figueiredo (Virgem Suta)
Pedro Saraiva (Sir Aiva/D.R. Sax)
Nuno Feist
Jorge Fernando
João Só
Héber Marques (HMB)

No últimos anos, Portugal tem acumulado más classificações, saindo muitas vezes da Eurovisão sem qualquer ponto. Para encontrar uma classificação mais positiva, temos de recuar vinte anos, até 1996. Relembre o tema O Meu Coração Não Tem Cor, de Lúcia Moniz, que conseguiu a melhor classificação de sempre: 92 pontos e um sexto lugar.


Veja o vídeo no canal de YouTube do TRENDY.


Ricardo Durand
Começou no jornalismo de tecnologias em 2005 e tem interesse especial por gadgets com ecrã táctil e praias selvagens do Alentejo. É editor do site Trendy e faz regularmente viagens pelo País em busca dos melhores spots para fazer surf. Pode falar com ele pelo e-mail [email protected].