Crítica: 10 Cloverfield Lane

Se está à espera que 10 Cloverfield Lane seja a continuação de Cloverfield, o melhor é esperar sentado.

Quando os primeiros trailers chegaram à Web, ficou a ideia de que este filme poderia ser uma sequela de Cloverfield (2008), o filme produzido por JJ Abrams em que um monstro gigante destrói grande parte de Nova Iorque.

Mas o melhor é mesmo esquecer esta ideia: aparentemente, e sublinhamos: aparentemente, os filmes nada têm que ver um com o outro.

10 Cloverfield Lane (realizado por Dan Trachtenberg) conta-nos a história de Michelle, Mary Elizabeth Winstead, que um dia decide sair de casa com alguns objectos pessoais, em fuga de uma situação que não conhecemos.

Durante a viagem, Michelle tem um acidente de viação e acorda mais tarde num pequeno quarto, que depois vemos ficar no interior de um abrigo subterrâneo construído. Este bunker foi construído por um marinheiro aposentado e paranóico chamado Howard, interpretado por John Goodman.

Aqui também vive um outro “refugiado”, Emmet (John Gallagher Jr., já nosso conhecido da excelente série Newsroom da HBO), cuja razão da sua presença está envolta em mistério.

10 Cloverfield Lane é uma história que gira à volta da verdade, ou não, sobre a catástrofe ou sobre as boas intenções de Howard e Emmet? Qual é o papel deles nisto tudo? São mais as perguntas que as respostas neste que se espera ser apenas o primeiro filme desta série.

Quem segue as obras de JJ Abrams, desde a série de TV Alias, que o catapultou para a ribalta, encontra todos os traços típicos das suas produções em 10 Clovefield Lane.

Um deles tem que ver com a grande atenção aos detalhes cenográficos: se o espectador estiver com atenção, estes contam muito mais da história que os próprios actores. Esteja, por exemplo, muito atento às cenas finais.

Tanto tecnicamente, como no que respeita às interpretações, 10 Cloverfield Lane não é uma obra-prima. No entanto, o argumento tem mistério suficiente para o deixar agarrado até ao fim.

10 Cloverfield Lane

Assim que entrar a fundo na história e na claustrofobia do bunker de Howard, a curiosidade vai levar a melhor e só vai querer saber o que aconteceu realmente e como é que acaba a aventura de Michelle. Se gosta deste género aconselho.

Pedro Tróia
É director da PCGuia há alguns anos e gosta de tecnologia em todas as suas formas. Está neste mundo muito por culpa da sua curiosidade quase insaciável e por ser um fã de ficção científica. Vem ao TRENDY de vez em quando dar um toque mais mais geek e sci-fi.