Bolsa Amélia Rey Colaço: o melhor projecto para teatro de jovens artistas ou companhias emergentes ganha 22 mil euros

©Mostafa Meraji
©Mostafa Meraji

A bolsa criada em homenagem à actriz Amélia Rey Colaço está na sua quinta edição. As candidaturas estão abertas até 13 de Abril.

O Teatro Nacional D. Maria II (Lisboa), a Oficina, (Guimarães), o Espaço do Tempo (Montemor-o-Novo) e o Teatro Viriato (Viseu) voltam a juntar-se para apoiar projectos inovadores de dramaturgia.

A Bolsa Amélia Rey Colaço está na sua quinta edição e, mais uma vez, com o objectivo de oferecer «meios de produção fundamentais e espaço de pesquisa» aos candidatos, recursos que permitam «consolidar o corpo de trabalho» de «jovens artistas e companhias emergentes».

Vencedor faz digressão entre Maio e Junho de 2023

Este ano, o prémio monetário é de 22 mil euros; além do dinheiro, o vencedor tem acesso a «cinco residências artísticas» e vai poder apresentar o projecto nos quatro teatros dos promotores.

A data de estreia já está, inclusive, marcada: será a 12 de Maio de 2023 no Espaço do Tempo, em Montemor-o-Novo, a que se segue uma digressão pelo Teatro Nacional D. Maria II, Teatro Viriato e a Oficina (entidade responsável pela programação do Centro Cultural Vila Flor), que se estende até às portas do Verão.

As candidaturas estão abertas até 13 de Abril aqui; o vencedor é anunciado cerca de dois meses depois, a 3 de Junho. O júri serão os «directores artísticos» dos quatro teatros parceiros da Bolsa Amélia Rey Colaço.

Ricardo Durand
Começou no jornalismo de tecnologias em 2005 e tem interesse especial por gadgets com ecrã táctil e praias selvagens do Alentejo. É editor do site Trendy e faz regularmente viagens pelo País em busca dos melhores spots para fazer surf. Pode falar com ele pelo e-mail [email protected].