Global site tag (gtag.js) - Google Analytics

[email protected]úbal: o novo projecto nacional que quer estudar a eficácia dos anticorpos contra a COVID-19

©Steven Cornfield
©Steven Cornfield

O Instituto Politécnico de Setúbal anunciou um projecto de três anos para estudar três linhas de acção contra a COVID-19: eficácia da testagem, anticorpos e interacção Animal-Homem.

Chama-se [email protected]úbal, é financiado pelo programa Lisboa2020 (trezentos mil euros) e é um projecto que vai ocupar os investigadores do laboratório de testes de despistagem à COVID-19 do Instituto Politécnico de Setúbal (IPS) durante três anos.

Este projecto é dominado por três grandes objectivos, que o IPS quer concretizar para aumentar o «conhecimento científico relacionado com o SARS-CoV-2» e contribuir para a «mitigação do contágio».

Testagem mais rápida para mitigar a infecção

O primeiro é melhorar o sistema de testagem à COVID-19, «da colheita à comunicação dos resultados». Aqui, o IPS acredita que vai conseguir uma optimização de 66% no processo, assim como uma «diminuição entre 30 a 50% dos custos e tempo associados, sem descurar a fiabilidade».

Para Marta Justino, que lidera a equipa de oito investigadores associados ao [email protected]úbal, este primeiro ponto vai fazer com que a «identificação de casos positivos e a consequente passagem para o próximo nível de decisão» seja mais rápida. A consequência directa é fácil de identificar: «Mitigação do contágio e diminuição da infecção».

©IPS
©IPS | A investigação do [email protected]úbal será feita por oito investigadores no IPS COVID-LAB.

Encontrar o SARS-CoV-2 em bivalves do Rio Sado?

O segundo objectivo passa por saber mais sobre a duração da imunidade ao vírus, seja pela vacina ou pela infecção com o SARS-CoV-2. Para isso, o IPS quer «estudar a prevalência de anticorpos em indivíduos já recuperados ou vacinados» a partir de uma «análise periódica até um ano após vacinação ou infecção».

Finalmente, o [email protected]úbal quer estudar as interações Animal-Homem, mas não em casos de animais de estimação, uma dúvida que foi crónica durante a pandemia. Assim, o objectivo é analisar «bivalves do Sado que atuam como reservatórios naturais de vírus».

A justificação tem que ver com a identificação do SARS-CoV-2 «em rios, lagos e mares, proveniente de efluentes de ETAR e por descargas directas», uma ocorrência que o IPS diz estar «descrita em diversos estudos a nível mundial».

Ricardo Durand
Começou no jornalismo de tecnologias em 2005 e tem interesse especial por gadgets com ecrã táctil e praias selvagens do Alentejo. É editor do site Trendy e faz regularmente viagens pelo País em busca dos melhores spots para fazer surf. Pode falar com ele pelo e-mail [email protected].