Portuguese Solar Tiles
Portuguese Solar Tiles

Há uma nova tecnologia em Portugal que “transforma” painéis solares em azulejos

Um grupo de investigadores da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto anunciaram o desenvolvimento de uma tecnologia que permite aplicar imagens a painéis solares, dando-lhes a possibilidade de ficarem parecidos com azulejos.

Chamada Portuguese Solar Tiles, esta nova solução criada por investigadores da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP) pode muito em breve vir a ser aplicada nas fachadas dos edifícios. É que, com a possibilidade de se parecerem com azulejos, isto vai tornar a sua aplicação menos intrusiva e, ao mesmo tempo, ter um ar mais tipicamente português.

Aliás, este é mesmo um dos objectivos do grupo de trabalho da FEUP. Luísa Andrade, docente ds FEUP e uma das responsáveis pelo projecto lembra que a aplicação dos painéis fotovoltaicos está restringida aos telhados dos edifícios, «devido a limitações estéticas», disse à Lusa e citada pelo site Porto.

Ora, num edifício, há toda uma fachada que, assim, não pode ser aproveitada, situação que pode mudar se a superfície dos painéis tiver algum tipo de desenho que os torne menos intrusivos.

Assim, o principal objectivo da Portuguese Solar Tiles é «ajudar o mercado da construção sustentável a resolver o problema da integração de painéis fotovoltaicos em ambientes urbanos, utilizando filme fino».

Este tipo de solução (filme fino, thin film) são, segundo Luísa Andrade, «mais versáteis e mais eficientes na captação de radiação difusa». A rediação difusa é, precisamente, aquela que «chega a uma superfície com um ângulo diferente de 90 graus».

É, portanto, com base no thin film que a Portuguese Solar Tiles consegue criar imagens com vários padrões e cores, neste caso que se pareçam com azulejos. A FEUP já trabalha neste tecnologia desde 2007 e quando a investigação comemorou dez anos foi distinguida com o primeiro lugar na segunda edição de 2017 do Business Ignition Programme.

Os próximos passos deste grupo de trabalho da FEUP passam agora por criar uma fábrica que permita escalar a produção da Portuguese Solar Tiles, já que a visibilidade dada pelo Business Ignition Programme já permitiu aos investigadores «encontrar as pessoas e instituições necessárias à evolução do projecto».

Ricardo Durand
Começou no jornalismo de tecnologias em 2005 e tem interesse especial por gadgets com ecrã táctil e praias selvagens do Alentejo. É editor do site Trendy e faz regularmente viagens pelo País em busca dos melhores spots para fazer surf. Pode falar com ele pelo e-mail [email protected].