Curtas de realizadores portugueses a caminho do Festival de Cinema de Berlim

João Salaviza, Salomé Lamas, Gabriel Abrantes e Diogo Costa Amarante vão participar na Berlinale com as curtas-metragens Altas Cidades de Ossadas, Coup de Grâce, Os Humores Artificiais e Cidade Pequena.

A 67.ª edição da Berlinale, Festival Internacional de Cinema de Berlim, decorre entre 9 e 19 de Fevereiro e vai ter três cineastas portugueses na competição Berlinale Shorts.

João Salaviza, Salomé Lamas, Gabriel Abrantes e Diogo Costa Amarante vão entrar em concurso com 23 curtas de 19 países diferentes, para tentar ganhar os Urso de Ouro e de Prata.

O júri desta competição é composto por Christian Jankowski, artista e professor alemão, Kimberly Drew, curadora, escritora e gestora de redes sociais do Metropolitan Museum of Art de Nova Iorque, e o chileno Carlos Núñez, programador de festivais de cinema e produtor de filmes.

A lista completa dos filmes que vão entrar em concurso na Berlinale Shorts pode ser consultada aqui, no site do Festival Internacional de Cinema de Berlim.


Altas Cidades de Ossadas

altas-cidades-de-ossadas
João Salaviza regressa à competição da Berlinale, depois de ter ganho o Urso de Ouro na edição de 2012 com Rafa. Em 2017, o realizador concorre com uma curta que conta a história de Karlon, nascido na Pedreira dos Húngaros, pioneiro do rap crioulo que fugiu do bairro onde foi realojado.
Duração: 19 minutos


Coup de Grâce

coup-de-grace
A curta de Salomé Lamas (em estreia mundial) segue Leonor, uma mulher que volta de viagem num dia em que o seu pai Francisco já não estava à sua espera. Em 24 horas, pai e filha «vivem uma realidade alucinada, conduzida, em crescendo, pela inquietação de Francisco num registo de aparente normalidade», conta a realizadora.
Duração: 25 minutos


Cidade Pequena

cidade-pequena
O protagonista desta curta é Frederico. O rapaz aprende na escola que «as pessoas têm cabeça, tronco e membros, e que se o coração pára morrem». Em Outubro, a mãe apercebe-se de «que ele está a crescer, que as estações correm indiferentes ao ritmo lento de uma pequena cidade». A curta de Diogo Costa Amarante estreou em Julho de 2016 na 24.º edição das Curtas Vila do Conde.
Duração: 20 minutos


Os Humores Artificiais

os-humores-artificiais
Gabriel Abrantes filmou esta curta no Brasil, no estado de Mato Grosso e em São Paulo. A história tem como base o dia-a-dia de uma indígena comediante que se junta a um robot e conquista a fama na indústria cultural de massa brasileira.
Duração: 30 minutos

Ricardo Durand
Começou no jornalismo de tecnologias em 2005 e tem interesse especial por gadgets com ecrã táctil e praias selvagens do Alentejo. É editor do site Trendy e faz regularmente viagens pelo País em busca dos melhores spots para fazer surf. Pode falar com ele pelo e-mail [email protected].