Paralisação dos táxis em Lisboa: Uber e Cabify dão dicas para evitar problemas no trânsito

A legalização das plataformas de transporte ocasional de passageiros Uber e Cabify faz correr rios de tinta há muitos meses. Os taxistas estão descontes e vai haver paralisação em Lisboa a 10 de Outubro.

Sob ameaça de não serem ouvidos pelo Governo, centenas de taxistas vão, amanhã, partir da zona do Parque das Nações em direcção à Assembleia da República. Aqui vão esperar para serem ouvidos sobre este problema que há com a Uber e a Cabify.

O protesto, que vai juntar cerca de seis mil táxis, é já o segundo este ano, depois de em Abril a classe ter feito o mesmo em Lisboa e no Porto.

Cabify e Uber acabam por estar juntas do outro lado da barricada e têm alguns conselhos para dar: o objectivo é que este dia lhe traga as menos complicações possíveis em Lisboa.

«Neste dia, as opções de mobilidade na cidade serão mais limitadas. Queremos manter Lisboa em movimento e estamos prontos a ajudar», dizem os responsáveis da Uber. A empresa, primeira do género a chegar a Portugal, sugere usar um Uber em partilha com um amigo para as deslocações ou contactar o motorista em caso de tempos de espera mais prolongados.

A última dica é, claro, óbvia: evitar pedir um Uber nas zonas onde vai decorrer o protesto ou ter um destes locais como destino, de modo a evitar atrasos ou conflitos entre taxistas e motoristas da Uber.

Também a Cabify prevê que «o aumento da procura e do trânsito poderão afectar o serviço prestado pela empresa durante este dia, tanto a nível de disponibilidade de veículos, como de tempos de espera e de chegada ao destino. Por isso, pedimos desde já desculpa por qualquer incómodo causado», diz a empresa numa newsletter enviada aos clientes.

As sugestões de evitar as zonas de paralisação e de contactar os motoristas em caso de tempos de espera anormais são igualmente avançadas pela Cabify.

O protesto dos taxistas contra a Uber e a Cabify começa às 7 horas da manhã desta segunda-feira (10 de Outubro), no Parque das Nações. Depois, às 8:30, começa a marcha lenta até à Assembleia da República, não havendo uma hora certa para acabar. Aqui fica a lista das ruas e zonas a evitar durante o protesto:

• Praça José Queirós
• Av. Dr. Francisco Luís Gomes
• Av. de Berlim
• Aeroporto de Lisboa
• Rotunda do Relógio
• Av. Almirante Gago Coutinho
• Av. Estados Unidos da América
• Campo Grande
• Av. da República
• Saldanha
• Marquês de Pombal
• Restauradores
• Rossio
• Rua do Ouro
• Rua do Arsenal
• Cais do Sodré
• Av. 24 de Julho
• Rua D. Carlos I
• Rua de São Bento

Ricardo Durand
Começou no jornalismo de tecnologias em 2005 e tem interesse especial por gadgets com ecrã táctil e praias selvagens do Alentejo. É editor do site Trendy e faz regularmente viagens pelo País em busca dos melhores spots para fazer surf. Pode falar com ele pelo e-mail [email protected].