História dos sistemas de travagem dos automóveis

Quando um veículo se encontra em movimento, tem de ser aplicada força para reduzir a sua velocidade. Esta acção de abrandamento é realizada pelo sistema de travagem. Como muitas tecnologias, os travões dos automóveis têm vindo a ser melhorados ao longo do tempo. Embora o objectivo de parar o carro continua a ser o mesmo, o método pelo qual é conseguido é mais avançado hoje.

Os primeiros sistemas de travagem eram compostos por uma alavanca e um bloco de madeira. Este sistema foi utilizado para automóveis com rodas feitas com aros de aço. O condutor puxava uma alavanca que pressionava um bloco de madeira contra as rodas, retardando o carro. Este sistema foi eficiente e trabalhou bem, mas já não era viável quando se começaram a usar pneus de borracha. A partir daí foi necessário usar um outro tipo de sistema de travagem.

Travões de tambor

No início do século passado, começaram-se a usar travões de tambor. Este sistema de travagem usava uma banda de aço inoxidável flexível, enrolada num tambor no eixo traseiro. Quando o condutor accionava o travão, a banda aplicava pressão no tambor e o carro parava. Os primeiros travões de tambor eram externos. Este era um problema porque ficavam expostos aos elementos e, por isso, não duravam muito tempo. Por isso, tinham de ser substituídos com bastante frequência. Outro problema era a banda metálica poder soltar-se em certas situações. Este problema foi minimizado com a integração de pastilhas dentro do próprio tambor.

Travões de tambor hidráulicos

Os travões de tambor hidráulicos forma inventados em 1918 por Malcolm Lougheed. Este sistema utiliza um fluido hidráulico para aplicar a pressão para parar o carro. Quando o condutor acciona o travão, o fluido hidráulico é empurrado através de uma série de tubos para o tambor. Esse fluido empurra umas peças contra o revestimento interior do tambor. Isto faz com que o movimento do carro abrande. Estes travões ainda são usados hoje em dia com algumas evoluções que forma incluídas ao longo do tempo.

Travões

Imagem de expertautopecas.pt

Apesar da sua eficácia, os travões hidráulicos de tambor são bastante susceptíveis ao calor. Quando o travão é accionado parte da energia do movimento do automóvel é convertida em calor, mas dentro do tambor, é muito difícil dissipar esse calor, o que pode levar à falha do travão.

Travões de disco

Outra tecnologia que foi patenteada no início do Século XX foi a dos travões de disco. Os travões de disco convencionais são feitos de ferro. Esses discos são “espremidos” pelas pastilhas de travagem para abrandar o movimento do veículo. Estas pastilhas de travão são pressionadas por uma pinça que, por sua vez, é accionada pelo fluido hidráulico. Inicialmente, as pastilhas dos travões eram feitas apenas de metal. Isto tornava este sistema de travagem algo barulhento, mas tarde o amianto (um material altamente resistente ao calor) começou a ser usado como forro das pastilhas. Isto reduziu substancialmente o ruído do sistema e melhorou a sua resistência e durabilidade.

Travões Anti-Bloqueio (ABS)

Uma evolução importante dos sistemas de travagem de disco foi a integração de um sistema que impede o bloqueio das rodas quando o sistema de travagem é usado em situações de emergência chamado ABS (Anti-lock Braking System). Este sistema melhora o controlo do carro, porque usa sensores em cada roda que detectam quando uma roda vai deixar de girar por acção do travão e impede-a de bloquear completamente o que faz com que o carro se mantenha controlável pelo condutor nas travagens mais fortes.