Top Gun Maverick. O realizador Joseph Kosinski veio a Lisboa falar sobre o filme… em formato holograma

@TRENDY
@TRENDY

A NOS e a Paramout organizaram este fim-de-semana uma sessão para jornalistas que juntou o visionamento de Top Gun Maverick a um encontro virtual com o realizador.

«Tudo o que se vê no filme é real: usámos aviões verdadeiros, os actores foram mesmo submetidos a forças G, não tivemos CGI nem ecrãs verdes».

Foi assim que Joseph Kosinski começou a sessão de perguntas e respostas com os jornalistas, depois do visionamento de imprensa de Top Gun Maverick; a ironia está no facto de o realizador não ter estado realmente em Lisboa: uma parceria entre a NOS e a Paramount transformou Kosinski num holograma, “transmitido” com recurso a 5G de Londres para a capital.

Ainda que com alguns glitches, esta sessão virtual criada pela Musion (empresa que já fez os concertos com hologramas dos Gorillaz ou a aparição de Tupac no festival Coachella em 2012) deu para perceber as potencialidades desta que pode ser uma nova forma de interacção para o futuro.

©Paramout
©Paramout | Para filmar as cenas de voo, foram usadas seis câmaras IMAX nos F/A-18 Super Hornet.

Em relação ao filme, este tipo de tecnologia ficou mesmo de fora: Kosinski reforçou o facto de não terem sido usados efeitos especiais para filmas as cenas com os aviões – foram mesmo usados F/A-18 Super Hornet e os actores voaram mesmo: «Foi uma das formas de convencer Tom Cruise a fazer o filme», revelou o realizador.

Apesar de não ter usado cenas criadas em computador ou ecrãs verdes (chroma), a tecnologia não ficou de fora de Top Gun Maverick: foram usadas as câmaras IMAX mais avançadas da actualidade, seis em cada avião que vemos durante o filme.

Kosinski aproveitou ainda para partilhar algumas curiosidades sobre a produção do filme: por exemplo, a cooperação da US Navy a um nível que o filme exigia só foi possível porque «muitos dos militares que tomaram decisões de ceder os aviões e o porta-aviões [USS Abraham Lincoln] entraram para a Marinha dos EUA por causa do primeiro Top Gun».

O realizador explicou ainda como é que conseguiu convencer Tom Cruise a participar nesta sequela, além da promessa de não usar efeitos criados em computador. A principal foi o facto de a «espinha dorsal da história ser a relação entre a personagem do actor com o filho de Goose», o seu wingman no primeiro filme, que morre durante um voo em que os dois participavam.

Top Gun Maverick estreia a 26 de Maio e, pelo que vimos durante a sessão especial para jornalistas, promete ser um dos blockbusters do ano e, para tirar o máximo partido da experiência, deve ser visto em IMAX.

 

Ricardo Durand
Começou no jornalismo de tecnologias em 2005 e tem interesse especial por gadgets com ecrã táctil e praias selvagens do Alentejo. É editor do site Trendy e faz regularmente viagens pelo País em busca dos melhores spots para fazer surf. Pode falar com ele pelo e-mail [email protected].