Descoberta no Cazaquistão prova que os unicórnios existiram mesmo?

Mesmo longe da imagem que temos destes cavalos míticos, todos brancos e elegantes, os unicórnios existiram mesmo e extinguiram-se há relativamente pouco tempo.

A descoberta foi anunciada na publicação científica American Journal of Applied Science: o mamífero Elasmotherium Sibiricum (Unicórnio Siberiano) extinguiu-se há apenas 29 mil anos e não há 350 mil anos, como até aqui se pensava.

Esta conclusão vem na sequência da descoberta de um crânio desta espécie na região de Pavlodar, no Norte do Cazaquistão. O aspecto é que vai decepcionar algumas pessoas mais sonhadoras.

Em vez de branco e majestoso como um cavalo, o Elasmotherium Sibiricum terá sido um mamífero de pelo castanho, com 1,80 metros de altura, 4,5 metros de comprimento e cerca de quatro toneladas.

Esta descrição dada pelo paleontologista russo Andrei Shpanski torna-o mais parecido com um rinoceronte com aspecto de mamute, como se pode ver na imagem em baixo.
Unicornio Siberiano

Ricardo Durand
Começou no jornalismo de tecnologias em 2005 e tem interesse especial por gadgets com ecrã táctil e praias selvagens do Alentejo. É editor do site Trendy e faz regularmente viagens pelo País em busca dos melhores spots para fazer surf. Pode falar com ele pelo e-mail [email protected].