É italiano e quer transformar o Mano a Mano numa referência do seu país em Lisboa. Para chegar lá, fez uma "rivoluzione" na carta.